Servidores têm defasagem salarial de 32,6% e temem piora com congelamentos salariais

07 de Outubro de 2019

 

O Dia     -  Cenário é de austeridade nos próximos três anos, como prometeu o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida

A austeridade prometida pela equipe econômica do governo de Jair Bolsonaro ao serviço público assusta os cerca de 1 milhão de servidores ativos e aposentados da União. Diante de um cenário de congelamento salarial nos próximos três anos e também de uma reforma administrativa, como já defendeu o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, as categorias temem mais perdas do poder aquisitivo.

Dados divulgados pelo Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) — e elaborados pela área de estudos técnicos da entidade —, apontam que a maior parte do funcionalismo (785 mil vínculos) já acumula defasagem salarial de 32,6% entre julho de 2010 a dezembro de 2019.

E uma outra parcela das categorias federais (cerca de 253 mil servidores) registra 14,8% de defasagem nesse mesmo período. O presidente do Fórum Nacional das Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, ressalta que a falta de reajustes somada a outras medidas, como a Reforma da Previdência, vai impactar diretamente na vida e orçamento doméstico dos servidores, especialmente dos aposentados.

Por isso, Marques defende o diálogo e as negociações entre representantes do setor público e do Executivo federal. "Os servidores não são os vilões dos gastos públicos como tentam dizer", argumenta ele, acrescentando que os profissionais do setor podem ajudar na busca por soluções para a economia do país.

No fim do mês de agosto, o secretário do Tesouro Nacional voltou a afirmar que o governo federal vai frear reajustes salariais e concursos. Mansueto Almeida defendeu a reforma administrativa que o Executivo pretende implementar em breve. Para Almeida uma das principais mudanças necessárias é a redução do salário inicial de quem ingressa no serviço público, já que atualmente algumas carreiras pagam cerca de R$ 15 mil no início.

"Se quisermos manter o país com nível de investimento, que já é baixo, não vejo nenhum espaço fiscal para aumento salarial ou concursos públicos nos próximos três anos", declarou.

Secretário contradiz setor

No mesmo dia, o secretário afirmou que houve excessos de aumentos de remuneração aos funcionários públicos federais nos últimos anos — diferente do que o funcionalismo argumenta. "Aí, o governo segura (os aumentos salariais até 2022) e ganha tempo para fazer uma...

Leia a íntegra em Servidores têm defasagem salarial de 32,6% e temem piora com congelamentos salariais

Fonte: O Dia /BSPF    -     06/10/2019

 



Escrever

Comentários (0)

Sem comentários, seja o primeiro a comentar clicando aqui.



{"controller":"index","action":"noticia","tipo":"midia","id":"4719","module":"default"}